quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Uma Bela História




Certo dia, a Morte caminhava sem destino, quando de repente, teve seu coração roubado. Sentia-se abandonada, ela não poderia mais sentir. Solitária, vagava pelas ruas em busca de seu coração, uma busca infindável. Pensava ela que ele não permitia ser encontrado. Estava inconformada, como podia ela ter seu coração roubado se apenas o que fez enquanto existiu foi amar? A partir daquele dia, a Morte passou a ir atrás de seu coração de um modo distinto, desta vez procurando em cada pessoa. Quanto mais seres morriam, mais chances ela teria de encontrá-lo. Ninguém entendia como alguém poderia ser rancoroso. O que ninguém sabia era o quão frustrante era viver sen sentir nada, apenas existir, sem nada significar. Vagando desgovernada, ela deparou-se alguém que nunca pensou que encontraria, a Esperança. Guiada por Esperança, ela deu de cara com o Amor e pediu para que ele devolvesse-lhe seu coração. Toda essa estação, ela havia compreendido que se trancou em mundo de escuridão quando sua primeira decepção amorosa indidiu-se. Morte estava orgulhosa, havia ultrapassado essa barreira chamada Tristeza. Muito tempo se passou e a Morte passou a se chamar Vida, todavia, ela merecia viver. Vida ofereceu uma chance para seu coração que agora batia calorosamente em seu peito. Quando Carinho a encontrou, ele sussurrou em seu ouvido ”Este é o momento certo para ser feliz”, apesar de nada saber, ela tinha certeza de que suas palavras não mentiam. Dizem que Vida e Carinho continuam juntos até então, afinal, não se pode viver sem um, ou sem outro. Eles não mais existiam. Eles amavam. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário